Linguagem, arte e educação ético-estética em perspectiva hermenêutica filosófica

DSpace/Manakin Repository

Linguagem, arte e educação ético-estética em perspectiva hermenêutica filosófica

Show full item record

Title: Linguagem, arte e educação ético-estética em perspectiva hermenêutica filosófica
Author: Johann, Maria Regina
Abstract: A Tese Linguagem, Arte e Educação Ético-Estética em Perspectiva Hermenêutica Filosófica trata da plausibilidade de um ensino (educação) que considera os fundamentos de uma hermenêutica filosófica e do que se expressa na reflexão acerca da especificidade da arte como dimensões próprias do aprender. Argumento, por isso, que é interpretando algum componente simbólico da tradição em perspectiva própria, traduzindo-o em um dizer, ou seja, alçando-o ao âmbito da linguagem posta no horizonte cocriativo de cada um, que se configura a aprendizagem. Reivindico, portanto, uma abordagem hermenêutica não somente para o ensino da arte, mas, inclusive, para as demais áreas do saber que também precisam contemplar no seu ensino esse modo humano de apreender, justificando que todo aprendizado, seja ao modo de visões, comportamentos, inclusive o que poderíamos chamar de habilidades, somente se efetiva, tornando-se uma realidade para o sujeito, quando se constitui em formas simbólicas, em regra, em expressões linguísticas. Para tanto, recorro a Heidegger e Gadamer para tematizar a linguagem como uma dimensão constituinte do humano evidenciando que por ela temos um mundo. Destaco, porém, o pensamento de Gadamer, afirmando que o homem interpreta a si e aos outros em um horizonte histórico, em que a tradição se constitui em herança pela qual sabemo-nos parte de um todo, sendo ela um patrimônio do mundo humano. Também, que a linguagem é o modo pelo qual o homem compreende e compreende-se em um jogo dialógico intersubjetivo, em que se expressa a relação essencial entre pensamento e linguagem, interpretação e compreensão. Essa noção nos leva à arte e sua possibilidade inesgotável de nos colocar diante de verdades, pois, como algo irredutível ao cotidiano, nós a interpretamos a cada vez que a trouxermos em nosso horizonte interrogativo. Essa verdade que a arte nos permite conhecer se dá ao modo de sua própria especificidade poética, sendo ela um jogo de velamento e desvelamento do ser, que garante sempre novos sentidos, ficando, desse modo, impedida de tornar-se uma verdade absolutizada. A partir dessa ideia, apresento a arte como uma linguagem estética e proponho pensar a possibilidade de um ensino de arte que permita ao aluno viver a experiência da sua inesgotabilidade, posto que na relação com a arte ordenamos cada vez mais aquilo que nos compõe, o nosso mundo. Recorro, para tanto, à noção de educação ético-estética, apresentada por Nadja Hermann, por ver nela um horizonte de ampliação da abordagem da arte na educação e, por isso, uma possibilidade da sua ressignificação escolar, propondo que seu sentido esteja atravessado pela especificidade de ser uma linguagem ético-estética. Isso significa, por sua vez, que os conteúdos de seu ensino são de natureza ético-estética, pois a arte traz em seu próprio modo de ser a abertura ao outro. Desse modo, destaco a noção de experiência estética na qual Gadamer afirma ser ela a possibilidade de viver a experiência como experiência e, no caso do ensino da arte, seria um vivenciar as linguagens artísticas como um modo de acesso e compreensão das questões da arte e, ainda, de uma compreensão e autocompreensão das questões referidas à condição humana. Assim, pergunto pela legitimidade de uma educação que considere o diálogo como a oportunidade de o aluno emitir a sua palavra em vista de ressignificar o conhecimento e os conceitos, tornando-os próprios, tendo no professor um hermeneuta que comunica um patrimônio, transmitindo uma herança e, ao fazê-lo não somente permite aos alunos a noção de pertencimento a uma tradição, mas, ainda, as condições para aprender a aprender visando a uma formação para a singularidade. Por isso, a noção de que a arte sempre exigirá de nós que a trazemos em nosso próprio horizonte intersubjetivo, no qual os sentidos necessitam ser construídos, constitui uma tônica deste trabalho, posto que essa especificidade da arte leva-nos a pensar na própria dimensão do aprender. Nesse sentido, apresentamos as noções heideggerianas de uma educação que visa à autonomia por meio de um ensinar/aprender em que, juntos, alunos e professores se percebem parte de um fenômeno de educação, que, no meu entender, se coaduna com a visão gadameriana de que educar é se educar, pois, ambas, visam à força do humano na realização de sua própria autoeducação em um mundo historicamente constituído.
Description: 198 f.
URI: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/4961
Date: 2018-05-07

Files in this item

Files Size Format View Description
MARIA REGINA JOHANN.pdf 1.142Mb PDF View/Open Tese

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account