Reeducação do mecanismo da continência urinária através da terapêutica com cones vaginais: uma tecnologia de auto-cuidado

DSpace/Manakin Repository

Reeducação do mecanismo da continência urinária através da terapêutica com cones vaginais: uma tecnologia de auto-cuidado

Show full item record

Title: Reeducação do mecanismo da continência urinária através da terapêutica com cones vaginais: uma tecnologia de auto-cuidado
Author: Bruinsma, Fabiana; Gerhardt, Catieli Costa
Abstract: Verificar a efetividade da reeducação da continência urinária por meio de tecnologia de auto-cuidado com cones vaginais. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico, sendo constituído por 11 mulheres, entre 50 e 65 anos, residentes da área rural do município de Catuípe/RS com no mínimo 12 meses de amenorréia. Para a obtenção das variáveis de interesse utilizou-se: entrevista para explorar a questões referentes a história uroginecologica da mulher; exame físico para avaliar a força muscular do assoalho pélvico e pressão perineal e aplicação do protocolo King’s Health Questionnaire (KHQ) para avaliar a qualidade de vida. A intervenção foi domiciliar, com prescrição de exercícios durante 8 semanas e freqüência de cinco vezes na semanais, com reavaliações entre 10 a 15 dias. As técnicas selecionadas foram exercícios de cinesioterapia com cones vaginais. Após 8 semanas foram reavaliadas. Resultados: Considerando os resultados das avaliações obtidos na pré e pós-intervenção destacase que 18% (2) das participantes obtiveram resultados plenamente satisfatórios com o tratamento tornando-se continentes. Com relação a intensidade do esforço em que ocorria a perda de urina observou-se após as 8 semanas de intervenção 27,7% (3) das mulheres não referiram mais escapes aos grandes esforços e 45,5%(5) não referiram mais perda aos esforços moderados;aos pequenos esforços nenhuma das mulheres relatou perda após o tratamento. Também houve um incremento da força dos músculos do assoalho pélvico das camadas profunda e superficial. Para a musculatura profunda observou-se que mulheres com grau 2 de força na pré-intervenção passaram aos graus 4 e 5 na pós-intervenção. Da mesma forma, mulheres com grau de força de 2 e 4 da musculatura superficial na pré-intervenção evoluíram para grau 3 e 5 após o tratamento. Quanto a pressão de contração perineal ao comparar as médias pré e pós tratamento não mostrou diferença estatisticamente significativa. Segundo os resultados da KHQ as mulheres tiveram melhora de sua qualidade de vida com o tratamento proposto. Conclusões: o protocolo mostrou-se efetivo no tratamento da IUE e seu diferencial foi o tratamento realizado no domicilio sob prescrição e orientação do fisioterapeuta sendo uma estratégia que pode ser adotada nos serviços da rede pública.
Description: 41 f.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/514
Date: 2012-01-18

Files in this item

Files Size Format View Description
Catieli Costa Gerhardt.pdf 361.4Kb PDF View/Open Monografia

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account