As (bio)políticas migratórias na contemporaneidade: o controle dos fluxos migratórios entre o utilitarismo e o repressivismo e o “ser-tal” dos migrantes como estratégia de resistência

Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account