Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação Física em Rede Nacional – PROEF - Mestrado

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 11
  • Item
    Desenhando a saúde na cultura corporal de movimento e dialogando além do currículo: protocolo e tecnologia mínima na educação física escolar
    (2021-07-23) Soares, Anderson Artur de Souza
    O estudo é uma cartografia de foco qualitativo do ser discente no Mestrado Profissional de Educação Física em Rede (PROEF), UNIJUÍ/UNESP, com suas criações e sensibilidades do ser professor de Educação Física na região metropolitana de Porto Alegre – RS, com objetivo de criar uma ferramenta didática denominada protocolo dialógico da saúde na cultura corporal de movimento. Neste estudo há o encontro entre pistas cartográficas reais chamadas “devaneios orgânicos” com foto, ferramentas didáticas pedagógicas e diário pessoal criados durante o PROEF; e pistas cartográficas ficcionais chamadas de “pitangas” com casos, sensações e narrativas sem uma verdade, e sim um mergulho no imaginário para perceber e construir possíveis territórios que atravessam o sujeito docente. O diálogo da cartografia não se dá numa linearidade, ou ordenação entre primeiros e últimos, mas sobre temas que aprofundaram e conversaram constantemente entre as pitangas e devaneios orgânicos gerando novos temas, aprofundamentos ou novas pistas, conduzindo novos rumos. Neste caso o rumo tomado, desenhado, apresentou-se por um aprofundamento das estruturas institucionais, sistemas e a construções de sentidos sobre a cidade, a saúde, a educação, a Educação Física Ecológica e a busca de um protocolo dialógico. Nestes temas foram atravessados sobre o entendimento de uma complexidade (MORIN, 2004) e ação ecológica (BETTI; GOMES-DA-SILVA, 2019; GUATTARI, 2007; LÉVY, 1993; MORIN, 2004) sempre redesenhando um modo de captar e conectar as partes num processo rizomático (DELEUZE; GUATTARI, 2000, 2000a, 2000b, 2011, 2012a, 2012b) e dialógico (FREIRE, 1994, 2006). A cidade foi aprofundada condição de pós-modernidade (BAUMAN, 2011, 2013), as identidades e a construção do seu território metropolitano. A saúde foi aprofundada na sua conceituação internacional pela Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS, 2018), sua aparição nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ITAMARATY, 2016), sua existência nacional com a legalidade a partir do processo democrático e as informações sobre a saúde dos escolares pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2016). Ainda para a saúde, houvera dois levantamentos de estudos da CAPES de acesso CAFE dentre 2014 a 2019 (“protocolo” AND “saúde” AND “criança e adolescente”; “protocolo” AND “Educação Física”), para identificar temáticas e criar tipologias pertinentes para a prática docente e de atenção sobre o que se tem pesquisado. Sobre a educação houve reflexão sobre seus conceitos a partir Fórum de Economia Mundial da educação “4.0” na sociedade “VUCA”, o caminho da educação na cibercultura, o perigo da frente “Escola sem Partido”, apresentação da escola como espaço público, republicano e democrático, as estruturas da educação nacional entre leis, documentos, metas e mecanismos. Na Educação Física Ecológica, foi refletido e construído o conhecimento da cultura corporal de movimento (BETTI, 2009; BRACHT, 2019; BRASIL, 1997, 2018), os temas legitimadores (BRACHT, 2019), uma Educação Física Ecológica entre o sentir, perceber e agir no individual, social e ambiental (BETTI; GOMES-DA-SILVA, 2019), o espaço e da Educação Física curricular e extracurricular. No protocolo dialógico foram revividos temas e conceitos estudados junto da criação de uma diretriz e desenho que converse e favoreça o cuidado com a saúde na cultura corporal de movimento, interligando o que na cartografia foi apresentada. A cartografia é maior que este produto, pois nela há um caminho diverso e sem fidelidade ao inicial, com uma exploração maior da subjetividade, mas graças a esta possibilidade foi possível construir tal produto: Protocolo Dialógico para Saúde na Cultura Corporal de Movimento.
  • Item
    Do mal-estar ao empoderamento: um estudo autoetnográfico na área da Educação física escolar
    (2021-07-23) Mensch, Deise Iara
    Este estudo inscreve-se no campo da Educação Física Escolar e do mal-estar docente. Trata-se de uma autoetnografia com pesquisa de campo. Defino como objetivo geral da pesquisa, a partir da constatação de um mal-estar e da impotência docente vivido no ambiente escolar, reconstruir-me enquanto professora, através da reflexão, autoavaliação e estudos abordados no Mestrado Profissional em Rede – PROEF. Problematizando a condição do mal-estar da prática docente, elegi a formação continuada como meio para o meu crescimento profissional e intelectual. Delineei como objetivos específicos, reconstruir uma proposta pedagógica para o componente curricular de Educação Física para o Ensino Fundamental II, da Escola Municipal de Ensino Fundamental João Goulart (organizado em grupos nas formações continuadas da SMED); bem como, planejar e descrever, sob forma de pesquisa-ação, o processo de uma unidade didática para os alunos do 7o ano do Ensino Fundamental com o tema Lutas – Capoeira; e, por fim, e não menos importante, tensionar o meu mal-estar docente durante toda essa trajetória e os elementos que foram importantes para pôr-se a caminho do bem-estar docente. As análises ocorreram com base em minhas anotações nos cadernos de aulas, nos trabalhos realizados, nos extensos fichamentos de leituras, nas discussões realizadas em aula (tanto no PROEF como na escola). No transcorrer dessa dissertação fui relatando como o empoderamento foi se dando durante todo esse processo de “tratamento”, que englobou a formação continuada – possível através do envolvimento acadêmico no curso de Mestrado Profissional em Educação Física – PROEF – a nova organização curricular da escola e a visão da pesquisadora acerca do sentido da Educação Física Escolar. Nessa direção, foi fundamental que os documentos curriculares se conectassem com a prática docente, propiciando assumir a condição de protagonista do fazer docente, quebrando a barreira entre o “não mais” e o “ainda não” (GONZÁLEZ; FENSTERSEIFER, 2009). Concluo que sem o conhecimento, sem a formação continuada, mudanças em currículos não farão “milagres”, pois talvez o problema não seja apenas o currículo, e sim, se ele faz ou fará sentido para a atuação docente, questão ético-política que permeia este fazer e que demanda a condição de sujeito participante de sua elaboração e concretização.
  • Item
    Educação física na educação infantil: uma proposta de planejamento na perspectiva do movimento humano
    (2021-07-23) Gonçalves, Mara Simone de Oliveira
    As crianças são de certa forma, uma grande preocupação para diferentes áreas do conhecimento na contemporaneidade. E entre as quais a Educação Infantil e a Educação Física escolar enquanto disciplina curricular, começa cada vez mais a participar ativamente desse universo, a partir de uma prática pedagógica sistematizada. A presente pesquisa teve como objetivo compreender a função educacional e social da Educação Infantil a partir da Educação Física escolar, bem como apresentar uma proposta de aprendizagem pautada em uma metodologia de ensino baseada na concepção que denominamos de “pedagogia crítico- emancipatória”. E isso visando, a compreensão e produção do conhecimento de conceitos, a partir de uma proposta de planejamento na perspectiva do movimento humano, para auxiliar o professor de Educação Física na Educação Infantil a elaborar suas aulas. A presente dissertação é uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo, que através da análise dos documentos oficiais/legais Referencial Curricular Nacional Educação Infantil (1998); Diretrizes Curriculares Nacionais Educação Infantil (2010); Base Nacional Comum Curricular (2017), juntamente com um referencial teórico, buscou-se a fundamentação necessária para a elaboração de uma proposta de planejamento de uma matriz curricular, em que se finaliza com a construção de um projeto de aprendizagem. Sendo assim, se procurou através da pesquisa, unificar os conteúdos da Educação Física com os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento, apresentados no campo de experiência, Corpo, Gesto e Movimento da BNCC. Portanto, neste caminho apresentar a aproximação do movimento humano com um planejamento através de um projeto de aprendizagem. Para tanto colaborar no planejamento autoral do professor, pois planejar é uma tarefa trabalhosa, mas poupa esforço, tempo e energia e traz reconhecimento e satisfação na atividade profissional. Também ajudar o professor a ter subsídios para compreender o currículo da Educação Infantil, que está pautado nas interações e brincadeiras, em que o cuidar e o educar são indissociáveis. Nesta perspectiva de integralidade, que está dissertação pretende ajudar no planejamento das aulas de Educação Infantil, com um olhar voltado para a valorização do movimento humano, em uma abordagem do se movimentar a partir de experiências de movimento, em um projeto que tem como tema a capoeira. Ficou explícito, que a pesquisa e a análise documental são necessárias e que precisa-se de mais trabalhos de pesquisa nesta modalidade de ensino, a Educação Física na Educação Infantil, no sentido de se organizar um planejamento adequado, em que as crianças possam participar independente de suas capacidades e habilidades motoras das experiência de movimento, para que possam ser protagonista de suas aprendizagem, produzindo sentido e significado com relação a si, ao outro e ao meio em que estão inseridas, aspectos importante e necessário para que se tornem cidadãos críticos e seres humanos cada vez mais humanos.
  • Item
    Corpos, gêneros e diferenças: a literatura brasileira enquanto recurso didático-pedagógico nas aulas de educação física infantil
    (2021-04-29) Ceratti, Viviane da Silva Dias
    As temáticas acerca dos Gêneros e das Diferenças no universo da escola, convivem com uma certa cultura do silêncio, e com inúmeras formas de preconceito. No que se refere as práticas pedagógicas, o que se percebe é uma fragilidade docente articulada muitas vezes com a exclusão destas temáticas das propostas de ensino. Este estudo vem evidenciar a problematização dos temas que circundam em torno dos corpos, dos gêneros, e das diferenças nas aulas de Educação Física na Educação Infantil, em uma escola pública do Município de Ijuí, RS. Compartilhando experiências, e apresentando uma proposta de unidade didático-pedagógica pensada a partir da utilização da Literatura Brasileira, e de obras do acervo do PNLD 2018 (Programa Nacional do Livro Didático) e PNBE 2005 (Programa Nacional Biblioteca na Escola), com vistas a reflexão de valores e a transformação da cultura de preconceitos, e na interlocução entre o saber sobre o fazer e o saber fazer nas aulas de Educação Física. Na intenção de atender os objetivos do estudo, apontamos esta pesquisa como aplicada, de abordagem colaborativa, compreendendo que todas as ações pedagógicas foram fundamentadas nas relações do cotidiano, do diálogo, do encontro e da escuta com as crianças pré-escolares, usando como instrumentos de produção e análise de dados, ficha de Mapeamento sistemático de literaturas e Diários de Bordo. Verificou-se durante o estudo e o desenvolvimento das práticas pedagógicas, gradativas mudanças de atitudes das crianças em relação as temáticas do estudo, no que tange as relações entre estas, seus corpos, gêneros e diferenças, demonstrando que trazer tais temas para reflexão, conhecimento e debate, favorece aos sujeitos infantes contextos significativos para a construção de valores em relação a si e ao próximo. Além disso, o estudo demonstra a relevância do uso do artefato da literatura nas aulas de Educação Física, pois promove práticas pedagógicas que fundamentam ações na perspectiva da tematização da cultura corporal de movimento no contexto da Educação Infantil.
  • Item
    Educação física escolar e educação ambiental: o saber da experiência em uma unidade didática transdisciplinar de práticas corporais de aventura
    (2021-04-29) Lima, Jean Fortes de
    O presente estudo abordou as Práticas Corporais de Aventura na perspectiva da Educação Ambiental nas aulas de Educação Física. Buscou-se, no decorrer desta pesquisa, promover um diálogo entre a Educação Física, as Práticas Corporais de Aventura e a Educação Ambiental, a fim de responder os seguintes problemas de pesquisa: Qual o lugar do saber da experiência no âmbito das Práticas Corporais de Aventura? As Práticas Corporais de Aventura contribuem para a sensibilização ambiental dos educandos? O objetivo geral desse estudo refletiu acerca dos limites e possibilidades de uma unidade didática transdisciplinar de Práticas Corporais de Aventura desenvolvida nas aulas de Educação Física da turma dos Anos Finais do Ensino Fundamental de uma escola da Rede Municipal de Ensino do Município de Dois Irmãos das Missões/RS, analisando as experiências corporais induzidas por meio dessa temática e suas possíveis contribuições para a sensibilização ambiental dos educandos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo, classificada com base nos procedimentos técnicos utilizados como uma pesquisa- ação crítica. A pesquisa foi composta por sete (07) educandos de uma turma do 9o ano do Ensino Fundamental, sendo quatro (04) masculino e três (03) feminino, entre 14 e 18 anos de idade. A revisão da literatura procurou através de diferentes fontes (livros, artigos publicados em periódicos especializados das áreas, leis, diretrizes, parâmetros e bases curriculares) compreender assuntos referentes à Educação Física escolar, Práticas Corporais de Aventura e Educação Ambiental. Para a produção dos dados, foram desenvolvidas dez (10) aulas de Práticas Corporais de Aventura, tematizando o Trekking e o Slackline. Foi utilizado no desenvolvimento da unidade didática a metodologia do Aprendizado Sequencial, organizada por Joseph Cornell (2008b), a qual possui quatro fases que fluem de uma para a outra (despertar o entusiasmo, concentrar a atenção, experiência direta e compartilhar a inspiração). As análises das aulas foram realizadas através de um questionário semiaberto, anotações do diário de campo, registros fotográficos e através de um grupo focal que teve como intuito avaliar as aprendizagens, percepções e possíveis mudanças de concepções dos mesmos com relação às temáticas abordadas. Todos os dados produzidos foram submetidos à análise e interpretação para a identificação dos resultados em diferentes categorias. Os resultados desse estudo apontam para a importância da Educação Física enquanto uma disciplina educativa, capaz de contribuir de maneira efetiva para a sensibilização ambiental dos educandos pelas Práticas Corporais de Aventura, possibilitando situações de aprendizagem que proporcionam mudanças de atitudes que ajudam a modificar a relação dos mesmos com a natureza na perspectiva da Educação Ambiental, potencializando o desenvolvimento de um certo grau de consciência ambiental.